Aposentadoria: Como calcular a quantidade necessária para viver bem sem muitos conhecimentos em matemática.

Sem ser um expert em matemática ou finanças é possível descobrir quanto dinheiro será preciso juntar para viver bem o período da aposentadoria.

Descobrir quanto dinheiro você vai querer ter a disposição todo mês quando decidir parar de trabalhar de forma remunerada é o primeiro passo do Planejamento da Aposentadoria.

Processo do Planejamento Financeiro

Não existe uma fórmula, existe um caminho que começa pelo autoconhecimento. Pense em quanto vai querer ter disponível para com base neste valor elaborar o seu planejamento.

Comece tentando responder estas perguntas.

Qual o valor da aposentadoria ideal para mim? Como eu quero viver como aposentado? Qual o estilo de vida que eu quero ter?

Não pense que pode ser o mesmo valor do que quanto estamos na ativa. Bom seria se pudéssemos juntar o suficiente para ter a mesma renda, não que seja impossível, mas é difícil. Existem exceções, mas hoje vamos tratar do que acontece com a grande maioria da população que depende do INSS e de iniciativa própria.

É preciso encontrar um equilíbrio, afinal para ter uma renda igual ou superior da ativa quando não se tem direito a aposentadorias especiais, os aportes têm que ser mais altos sobrando menos para sobreviver. Isto é mais difícil de manter ao longo da vida porque nos priva de realizar muitas outras coisas.

Outro aspecto a se considerar é o período, quanto mais cedo começam esses aportes, menores poderão ser esses valores.

Vamos exemplificar com conta simples e sem considerar os juros a título de entendimento.

Se preciso juntar R$ 100.000,00 quando completar 60 anos, começando aos 20 anos, preciso guardar todo ano R$ 2.500,00.

Ou seja, serão 40 anos juntando (60 – 20 anos), assim dividimos R$ 100.000,00/40 anos = R$ 2.500,00 por ano (desconsiderando os juros – estamos simplificando).

Porém se decidir começar a juntar aos 45 anos, serão apenas 15 anos para chegar aos R$ 100.000,00 com 60 anos de idade. Neste caso o valor que todo ano terá que ser guardado é de R$ 6.666,66 A conta é R$ 100.000,00 / 15 anos = R$ 6.666,66.

Ou se começa cedo, guarda por mais tempo, porém valor menor, ou começa mais tarde junta por menos tempo, porém uma quantia maior.

Muitas pessoas acabam optando por esta segunda opção pelo simples fato de que começar cedo compromete muito uma renda que normalmente ainda é pequena por se estar em começo de carreira, ou porque os investimentos estão canalizados para outras coisas, como sustentar filhos e/ou a conquista da sonhada casa própria.

Porém, o ideal é começar bem jovem por menor que seja o aporte. Mas comece. E ao longo da vida vá aumentando assim que as outras conquistas forem alcançadas e a carreia vai se consolidando e houver aumento da renda.

Acompanhe a melhora de vida com aumento dos aportes para aposentadoria.


Dito isso podemos voltar ao valor que queremos receber na aposentadoria.

O que se tem que ter em mente é que as nossas condições físicas e emocionais serão diferentes das de hoje. Várias despesas desaparecerão ou diminuirão muito e em compensação outras aparecerão ou aumentarão drasticamente, principalmente no quesito saúde. Deixaremos de fazer certas atividades e outras aparecerão.

Para conseguir visualizar melhor podemos dividir a aposentadoria em fases:

1ª FASE = A primeira fase acontece perto dos 60 anos. Nesta fase, seremos mais ativos estaremos dispostos a fazer esporte, viajar, passear, ter vida social ativa, cuidar dos netos pequenos. Gastaremos mais dinheiro cuidando do corpo e da aparência.

2ª FASE = Na segunda fase, após os 70 – 75 anos, os gastos com lazer devem diminuir, pois nossa disposição e nossa forma física não são as mesmas.

3ª FASE = Na terceira fase, depois dos 80 – 85, os gastos com saúde normalmente crescem bastante, já não há tanta vontade de gastos relacionados ao vestuário, mobília, bens em geral.

Provavelmente será assim:

Os gastos na fase de aposentadoria

↓FILHOS = As despesas com os filhos irão diminuir. Mesmo com a tendência moderna muitos casais retardarem o momento de ter filhos até concretizarem suas carreiras profissionais, pode-se esperar que, na fase da aposentadoria, a maioria das famílias esteja com os filhos financeiramente independentes.

↓CASA E CARRO = A maioria das pessoas quando chega ao momento de aposentar, deve ter uma solução de moradia mais estável, por já possuir a casa própria, já ter terminado de pagar seu financiamento ou por manter em sua conta um aluguel mais barato. Ou ainda vender a casa e ir para uma de tamanho menor e mais fácil de manter. Os gastos com carro são diminuídos, porque os automóveis, geralmente, são usados de maneira menos rotineira.

↓PLANO DE APOSENTADORIA = O período de acumulação de capital em um plano dedicado a essa fase de vida acabou. Agora é o momento de usufruir do período de resgatar os benefícios do plano.

↓TRANSPORTES E ROUPAS = Esses itens também passam a ter uma redução. Não há mais a mesma rotina de vida e de deslocamento para o trabalho. A necessidade de roupas sempre novas para se apresentar bem no ambiente de trabalho já não é mesma.

Já outras despesas aumentam na fase da aposentadoria. Vejamos:

↑SAÚDE = Os gastos com saúde, certamente aumentam. O primeiro impacto é em relação à assistência médica – principalmente para aqueles que tinham essas despesas pagas pela empresa.  Outro aspecto é que, conforme a idade avança os planos de saúde ficam mais caros e os gastos com remédios também aumentam.

↑BENEFÍCIOS DA EMPRESA: Muitas pessoas, quando empregadas, usufruíram de benefícios concedidos pelas empresas – seguro-saúde, transporte, vale alimentação, vele-compras, cestas básicas, entre outros. Assim quando as pessoas se aposentam, esses custos ficam sob sua responsabilidade.

↑LAZER = Os gastos com lazer tendem a aumentar no período inicial de aposentadoria, quando há tempo livre sobrando. Devemos aproveitar bem esse momento, mas isso custa dinheiro. Devemos planejar bem os gastos gerais e estimar corretamente os gastos com lazer e viagens.

Assim para chegar no valor que você vai querer ter, começa com o que e quanto você quer gastar.

Calculando uma estimativa de gastos você chegará no valor que necessita de renda. Aqui é o inverso do que fizemos normalmente no orçamento, onde partimos da nossa renda e ajustamos as despesas. Não que na fase da aposentadoria isto seja necessário e provavelmente será, uma vez que dificilmente vamos conseguir uma renda que comtemple todas as despesas que gostaríamos de gastar na aposentadoria.

Infográfico do Planejamento da Aposentadoria.

Mas deu para perceber que calcular esta estimativa não é tão fácil assim. Uma vez visualizado o seu futuro, sabendo as despesas que aumentarão ou diminuirão você já está apto a lançar as suas estimativas.

  • Utilize O SEU ORÇAMENTO atual como base. Crie um ORÇAMENTO especial para a APOSENTADORIA, e vá alterando com o passar do tempo, afinal sua consciência vai se aprimorando.
  • Se necessário forme grupos maiores de despesas para ficar mais fácil.
  • Pergunte para pessoas já aposentadas, quais são seus principais gastos?
  • Algumas despesas são mais fáceis, como por exemplo, o plano de saúde. Existem regras da ANS que determina o porcentual permitido por lei do aumento pela idade.
  • Não se preocupe em ser exato, isto será muito difícil, a ideia é ter uma noção para você começar a traçar uma trajetória.
  • Confie neste levantamento, mesmo que achar que eles nunca se tornarão realidade, ele servirá de guia para a tua vida. E na final uma estimativa é melhor do que nada, né!
  • Também considere nesse cálculo, quantas pessoas você estará sustentando.
  • Considere que ao longo de sua vida o valor dos aportes ($ investido) na aposentadoria vai se alterar. Por exemplo, com 25 anos posso não ter muitos gastos do que com 35 já que provavelmente terei que sustentar uma família e aos 55 posso ter mais valor disponível para aplicar.
  • Considere ter e manter uma reserva de emergência, que não entra neste cálculo.

Pronto você já tem condições de saber uma estimativa que você necessita receber durante a aposentadoria.

Dependendo da forma de recebimento que for escolher – vitalício, prazo certo entre outros – será necessário ter uma estimativa de quanto tempo você ficara dependente da renda da aposentadoria. Por mais difícil que pareça pensar quantos anos viver, precisamos ter essa ideia principalmente se o recebimento estiver atrelado ao montante acumulado, o dinheiro pode acabar.

Para estes casos basta calcular o valor mensal que você necessita e multiplicar pelo tempo (anos) que deseja receber.

Com o valor que você encontrou como sendo a renda mensal que gostaria de receber durante a aposentadoria vá até a internet e use as calculadoras e comece a brincar. Faça diversas simulações, valores diferentes de aportes – constantes ou não e por diferentes anos de acumulação.

Essa simulação vai encontrar o valor que você deverá investir (aporte) todo mês – a partir de agora – para conseguir acumular um valor X que lhe proporcione a renda mensal que deseja receber durante a aposentadoria.

Essas calculadoras on line vão fazer os cálculos que nós, que não somos expert em matemática não fazemos.

Pesquise por “Simulador de Aposentadoria Privada”, a maioria dos bancos possuem um. A simulação não significa que você vai contratar o Plano de Aposentadoria deles. Vale também “brincar” em simuladores diferentes.

O Infomoney têm um Planilha para baixar que permite fazer muitas simulações.

O importante é ter clara consciência do valor estimado que se pretende receber e começar já a se planejar. Se basear na “chutometria” ou “viver com o que a aposentadoria me der” pode levar a você terminar os anos finais de vida tendo que trabalhar para se sustentar ou dependente de outros.

Não esqueça de colocar o valor que você terá que investir mensalmente no teu orçamento e verificar se ele é factível, possível de ser feito sem que comprometa o dia a dia, ou outras conquistas: os sonhos.

Feito isso chegou a hora de escolher qual o melhor Plano de Aposentadoria. Um Fundo de Pensão ou gerenciar você mesmo.

No próximo artigo vamos explicar quais são os tipos existentes, as diferenças para te ajudar a escolher o melhor para a sua realidade.

Como escolher o melhor Plano de Previdência para alcançar uma aposentadoria do jeito que você pretende.

Veja aqui a série completa sobre o Planejamento da Aposentadoria:

Aposentadoria: Porque devo me preocupar o quanto antes?

Como fazer o Planejamento da Aposentadoria.

Aposentadoria: Como calcular a quantidade necessária para viver bem sem muitos conhecimentos em matemática.

O que fazer para conquistar a Aposentadoria dos nossos sonhos?

Já me aposentei, e agora? Atitudes para otimizar a aposentadoria

Tudo o que você fizer hoje, refletirá no bem estar da sua aposentadoria

Fazer o Planejamento da Aposentadoria é o caminho para uma previdência tranquila

Fontes:

FGV – Curso 3 – Como planejar a aposentadoria

BC – GFP – Curso Gestão de Finanças Pessoais  Capítulo 5 – Poupança e Investimento – Capítulo 6 – Prevenção e Proteção,

CONEF – Educação financeira nas escolas: ensino médio: Bloco 2

Akatu – Caderno Temático dinheiro e crédito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s