Negociando dívidas. Dicas

O que fazer e o que não fazer na hora de negociar

São tantos os detalhes que devemos prestar atenção na hora de começar a liquidar as dívidas, que fizemos este post com dicas somente sobre este assunto.

– Nunca aceite negociação por pressão/ameaça do credor:

Acredite, isto acontece muito, eu já passei por isso. Inclusive é proibido.

Mesmo uma pessoa endividada tem seus direitos (e deveres também!) regidos pelo Código de Defesa do Consumidor. Em seu artigo 42. Art. 42. “Na cobrança de débitos, o cliente inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.” É vedada por parte do cobrador ou seu representante ser ameaçado, constrangido ou coagido ao ser cobrado.

Porém, nem por isso você deve ignorar a dívida. Aqui estamos falando de negociar quando você tiver condições, e esta informação você deve repassar ao seu credor. Informe a sua situação atual, se tiver como comprovar melhorar ainda, e tente estimar o tempo que você necessita para colocar as suas contas em dia e conseguir renegociar a dívida. Passe essa informação ao credor. Isto demonstra responsabilidade facilitando a renegociação.

Mas lembre-se, de nada adianta negociar hoje uma dívida que você sabe que não vai conseguir pagar.

– Você não é obrigado a aceitar a proposta do credor

Caso você já esteja em condições de liquidar a dívida e estiver renegociando com o credor, você não é obrigado a aceitar as condições que te apresentarem. Seja no valor das parcelas, o desconto dos juros e da multa. Como já falei antes, se as parcelas ou o valor total com desconto ainda não couberem no seu orçamento não adianta aceitar porque você não vai conseguir pagar e a dívida vai ficar maior ainda, você fica com a imagem desgastada e em uma nova renegociação fica mais difícil conseguir boas condições.

Você tem o direito de apresentar a SUA proposta dentro de suas condições (redução dos juros, desconto no pagamento à vista, prazo maior para pagar, por exemplo), lógico desde que seja factível e realista.

Você inclusive pode e deve questionar se achar os valores reajustados abusivos. Procure o Procon em caso de dúvidas.

– Somente aceite parcelas nas condições que conseguir EFETIVAMENTE Pagar.

Não preciso repetir né. Tem que caber no seu orçamento e ponto final. Este é o erro que é cometido por muitos, por isso: guarde esta imagem para não esquecer!!!!

– As cobranças, a inclusão e retirada do CPF nos órgão SPC e SERASA e o que pode ser penhorado, tudo têm regras em forma de Lei.

Toda essa dinâmica funciona de acordo com o que rege o Código de Defesa do Consumidor, e o Código Civil, portanto vale a pena pesquisar para saber o que você pode fazer, o que pode recusar e o que deve aceitar.

Um bom site, idôneo é o da Proteste. Aqui vai o link

Guarde tudo

Toda a papelada envolvendo a dívida deve ser guardada, inclusive as conversas por telefone devem ser anotadas: a data, horário, nome da pessoa e número de protocolo da ligação. Porém dê preferência por negociações pessoalmente; nas negociações por telefone as informações tendem a não serem completas. Se não houver outra alternativa, antes de concordar verbalmente, peça que todas as informações sejam repassadas por escrito. E guarde também as trocas por e-mail.

Isto já nos leva à próxima dica.

– CONCORDÂNCIA por escrito

Tudo o que foi acordado deve estar por escrito e assinado pelas partes envolvidas, afinal estamos fechando um novo acordo. (débito; valor, número e data de vencimento das parcelas; penalidades em caso de atraso, cancelamento ou descumprimento do combinado; termo de quitação que deve ser amplo, geral e irrestrito). Não se esqueça de ver se consta no acordo, que quando tudo for pago o saldo será ZERADO, se e quando o nome vai sair dos órgãos de proteção SERASA e SPC e quem será responsável pela baixa.

– A quem pagar?

Muitos bancos e instituições financeiras revendem as suas dívidas para escritórios de cobrança. Mas como saber se o escritório de fato é o responsável ? Procure o credor e peça por escrito o nome e contato do escritório e/ou pessoa responsável, e um tremo assinado por ele (credor) que a dívida deve ser pagar a empresa/representante “x”.

Existem muitas pessoas de má fé, e acredite, tem pessoas se passando por escritórios de cobrança querendo receber o pagamento de uma dívida que eles não têm a permissão.

– Peça ajuda e receba mais dicas

O Procon do seu estado esta pronto para te ajudar. Você sabia que eles possuem um núcleo especializado para ajudar pessoas a negociarem as suas dívidas? E é gratuito. Clique aqui para acessar o Procon de SP.

Algumas Universidades de Direito também oferecem consultoria gratuitas feitas pelos alunos sob supervisão de professores.

OBS: Essas considerações levam em conta que o débito ainda não foi parar na justiça (chamamos de Negociação Extrajudicial). Se o caso já se encontrar ajuizado sugiro consultar um advogado ou o Procon para saber como proceder. Eles vão verificar a situação, o andamento e conseguir te orientar.

Leia o 📚ebook com a matéria completa, é só baixar

capa do ebook “O Orçamento Doméstico em tempos de crise financeira”

Ou siga esta trilha por aqui no site:

Situação de emergência pede um orçamento em crise

Orçamento em crise: Aprenda a priorizar

Orçamento em crise. Chegamos! Eliminando dívidas

Negociando dívidas. Dicas

Dicas de como sair da crise financeira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s